Arquivo da categoria: Jornalismo

Twitter como ferramenta para o rádio I

twitter_logo_s

As discussões sobre o uso do Twitter como ferramenta para a apuração no jornalismo continuam. Entre os principais argumentos contrários está a credibilidade das fontes e entre os favoráveis está a rapidez e multiplicidade de fontes de informação. Os debatem sobre esse uso mal começaram. Certamente serão intensificados ainda com o passar do tempo, assim como os possíveis usos do Twitter devem ser ampliados.

Por agora, o post de Christian Espinosa, no Blog Cobertura Digital, nos dá uma idéia de como essa ferramenta pode ser utilizada – e não só no jornalismo on line. E para o rádio? É possível? Como utilizar o Twitter? Ele pode fazer realmente alguma diferença para a transmissão fora da internet? Serve como fonte ou simplesmente como uma ferramenta para transmitir a informação ao ouvinte?

Pensar o jornalismo

Sim, antes de mais nada devemos pensar o jornalismo. O que fazemos? Como fazemos? Por que fazemos? Tudo isso é crucial, principalmente em um ambiente de saturaçáo de informaçóes e de rapidez na transmissáo de notícias como o que estamos. A reflexáo apresentada no post Ten questions for journalists in the era of overload, do blog Newsless.org é extremamente pertinente. Pensamos o jornalismo? Consideramos sua importância para o público? A validade da informaçáo? Vale a pena discutir…

O Ouvinte e o consumo ativo

Não são só as rotinas profissionais do jornalista e do comunicador de rádio que estão sendo alteradas pelo processo de tecnologização das redações. Embora essa mudança no cotidiano das emissoras se mostre de maneira direta através das ferramentas tecnológicas, como nos mostram vários autores, entre eles Carmen Peñafiel, essa interferência é intensa. Entretanto, é importante observar que ela também se estabelece de forma indireta.
O jornalista e doutor em comunicação João Paulo Meneses lembra, em um artigo publicado na revista Meios e Publicidade, que existe hoje um novo perfil de ouvinte. Trata-se de um ouvinte com um perfil de consumo ativo, inserido no cotidiano das novas gerações digitais, que buscam, interagem, controlam, personalizam a informação. A cada dia mais é preciso observar que se esse novo público começou a se construir em veículos online, hoje ele se relaciona em grande escala com os demais meios de comunicação e, com isso, demanda deles uma adequação.
Esta discussão não pode ser deixada de lado ao estudar ou pesquisar o jornalismo de rádio em ambiente de convergência e tecnologia.  Voltaremos a isso.
Ficou interessado? Leia o texto de João Paulo Meneses.

Jornalista, contador de histórias

“El oficio de contar historias es un comercio social asignado a unos pocos privilegiados, con la obligación de transmitir los hechos, los valores y los sentimientos de una colectividad. Saltando a nuestros días, podríamos utilizar este entramado explicativo para identificar a los periodistas, a los comunicadores, como aquellos profesionales cuyo oficio es contar historias”.

MARTÍNEZ-COSTA, María Del Pilar; DÍEZ UNZUETA, José Ramón. Lenguaje, géneros y programas de radio: introducción a la narrativa radiofónica. Pamplona: EUNSA, 2005.

Internet, fonte de informação para jornalistas

A discussão é de interesse geral, pena que aconteceu longe. A Associação de Imprensa de Navarra e o governo de Pamplona, na Espanha, organizaram o evento “Primeras Jornadas para Profesionales de la Información“. A discussão? O uso da internet como fonte pelos jornalistas. Embora não possamos ir ao evento, é possível baixar e ler os artigos ou slides que foram apresentados:

Cómo optimizar las posibilidades de los buscadores (ppt), de Noelia Fernández

Búsqueda de información útil, eficaz y fiable en Internet (pdf), de Ramón Salaverría

Recursos para periodistas en navarra.es (ppt), de Pello Pellejero

Via e-periodistas

Faça jornalismo ético, ou venda bananas!

O jornalista da Rádio CBN, Milton Jung, concede uma entrevista ao site Jornalirismo. O posicionamento do âncora é centrado nos preceitos éticos e na honestidade. Vale a pena conferir… A matéria completa está aqui.

Jornalismo Inovador na Bahia – HQ!

Reproduzo, com muito orgulho, o e-mail que recebi da coordenadora de Jornalismo da FIB, Mônica Celestino:

O Caderno Dez! (jornal A Tarde), nesta semana, passou a publicar a reportagem em quadrinhos Vanguarda, TCC desenvolvido no Centro Universitário da Bahia – FIB por Caio Coutinho, Fábio Franco e Leandro Silveira no semestre passado. Dividida em quatro capítulos, o projeto foi orientado pela professora Ana Spannenberg, que faz atualmente sua tese exatamente sobre gêneros jornalísticos.
De acordo com pesquisa exploratória, trata-se da primeira reportagem no país inteiramente elaborada utilizando características da HQ – da concepção da pauta e seleção das fontes à definição do roteiro e edição. A série é inovadora tanto pela narrativa quanto pela abordagem de um tema inexplorado pela mídia local – elementos da história do movimento estudantil na Bahia. O TCC resulta de uma reflexão teórica, inclusive com a conceituação e caractetização da narrativa jornalística em HQ.
Apreciação e comentários no blog! O trio constitui uma mesa-redonda sobre O papel do repórter na narrativa jornalística em quadrinhos, no dia 12 de novembro, às 18h30min, na sala 173 (bloco 6). A atividade é aberta a estudantes, professores e pesquisadores. A entrada é franca.